Seja Bem-vindo ao portal da Junta Freguesia de Machico

Núcleo Arqueológico – História

Núcleo Arqueológico Machico

Núcleo Arqueológico Machico


O Primeiro Núcleo Arqueológico da Região Autónoma da Madeira

Como hoje em dia não é possível escrever a História da Madeira sem uma referência inequívoca à Cidade de Machico, também não é possível escrever a história da Arqueologia na Madeira, sem o registo da chegada à Baía de Machico do alegado casal de Machim e de Ana d’Arfet.

Depois dos achados de Robert Page na Capela dos Milagres no século XIX, só nos anos noventa do século XX se tornaram a verificar trabalhos arqueológicos em Machico, com a escavação no espaço exterior do recém recuperado Solar do Ribeirinho. Pouco tempo depois, com as obras na Junta de Freguesia de Machico, os técnicos da ARCHAIS fizeram o acompanhamento arqueológico e encontraram numerosos vestígios do passado de Machico.

Entre 2005 e 2006 voltaram-se a fazer escavações no logradouro da Junta de Freguesia de Machico, sob a responsabilidade do Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Machico. Os trabalhos puseram à vista um conjunto de objectos da época dos Descobrimentos em Machico. Salienta-se, entre outros, um belo exemplar de uma jóia de cobre dourado do século XV, com uma decoração arrojada a lembrar o gosto tardo-gótico português.

Encontrou-se, também, um numeroso conjunto de moedas de cobre (ceitis), dos reinados de D. Afonso V e D. Manuel I (séculos XV e XVI). Do ponto de vista do conhecimento arqueológico, trata-se um achado invulgar – sobretudo pela quantidade exumada (22 moedas) – numa área muito reduzida (2 m2) de escavação. O achado monetário pode revelar um certo “riquismo” e ostentação que existia na sede da Capitania de Machico na segunda metade do século XV, numa altura de ensaio e comercialização do açúcar e de chegada de mercadorias oriundas da Europa e do Oriente.

Mostra, do ponto de vista museológico, que as reservas materiais da Cidade de Machico se encontram no subsolo e só precisam de ser “desenterradas” e, posteriormente, expostas ao público de Machico.

Fonte do texto: Élvio Sousa, Arqueologia da Cidade de Machico, CEAM/CMM, no prelo.

Share